Aproveite nosso frete grátis em compras acima de R$250.

Pré-venda
Pré-venda

Anatomia da revolta – temporalidade e destituição

PRÉ-VENDA
"Anatomia da revolta – temporalidade e destituição" está em pré-venda com previsão de entrega para maio de 2024.
Caso for comprado junto à outros itens já disponíveis no estoque, eles serão enviados separadamente.

A revolta, tal e qual pensada e vivida por aqueles que a realizam, não é nada mais do que fazer a política transitar pelo corpo. Estende a política, lhe dá vida e densidade, libera as sensações habitualmente contidas; abre e fende a política – Romain Huët

Em dias intelectualmente miseráveis como os nossos, em que à direita se repete o odioso mantra de Tatcher – “there is no alternative” – e à esquerda se aceita sem grande choque ou consternação que as esquerdas morreram, Garau demonstra, em Anatomia da revolta – temporalidade e destituição, que ser de esquerda é muito mais do que uma afiliação partidária ou certa vaga simpatia pelo que se chama, de maneira meio ridícula, de “setor progressista”.

Pertencer ao campo político da esquerda radical trata-se de uma experiência muito mais potente, uma forma-de-vida que, sendo comum e mutante, transmuta a si e ao tempo, abrindo-se para o perigo de uma existência sem fundamentos e destituinte.

É assim que os ensaios contidos neste livro, nos quais o autor debate com grandes nomes da filosofia sem qualquer servilismo – Marx, Benjamin, Blanchot, Agamben, Comitê Invisível, etc -, traçam uma rigorosa contra-história das experiências revolucionárias de ontem para apontar a necessidade de superá-las. Por mais importantes que tenham sido, não devem ser encaradas como planos objetivos a serem repetidos.

Trata-se de não lamentar a “morte da esquerda”, mas aproveitá-la para resgatar experiências bem mais radicais do que as partidárias e que sejam capazes de dialogar diretamente com as condições atuais de suposta inultrapassabilidade do capitalismo.

Anatomia da revolta – temporalidade e destituição nos apresenta um rico afresco em que compreendemos que só é possível viver um tempo da revolução quando se revoluciona o tempo e, experimentando-o em nós mesmos, nos abrimos não para o evento grandiloquente e canônico que se espera de forma quase religiosa, e sim para múltiplas, descontínuas e vitais revoltas.



 

Ficha Técnica

Título: Anatomia da revolta - temporalidade e destituição
Autor: Michele Garau
Coordenação Editorial: Fabiana Gibim, Alex Peguinelli e Rodrigo Corrêa
Capa&Diagramação: Rodrigo Corrêa
Tradução: Andityas Soares
Preparo: Fabiana Gibim e Alex Peguinelli
Revisão Inicial:
Revisão Final: Fabiana Gibim e Alex Peguinelli
Ano: Março de 2024
Páginas:
Tipo: Brochura
Formato: 13,5x21cm
Peso: 60g
ISBN: